Mamãe e papai, obrigada!

Todos sabem que tenho vivido em um momento de ócio: encontro-me “exilada” em terras estranhas.

Na tentativa de torná-lo mais produtivo, tenho buscado atividades que nunca tivera tempo ou oportunidade de fazê-las. Uma delas é passar horas em frente ao computador procurando palestras, livros (algo que sempre odiei: ler através dessa máquina), filmes, músicas etc. Essa experiência tem sido muito prazerosa e enriquecedora: passo horas dos meus dias com psicólogos, filósofos, professores.

Alguns dias atrás assisti uma palestra de um ex-professor da faculdade: Julio Groppa, na qual ele discursa sobre a situação da família contemporânea. Evidentemente, não pude deixar de achar geniais suas provocações. Fiquei extasiada com sua fala como nos tempos da minha licenciatura.

Tantas reflexões e provocações embriagadoras. No entanto, foi quando disse que não teve tempo de agradecer a seus pais pelo o que lhe representaram em vida foi quando sua palestra me tocou particularmente, já que estou a quilômetros de distância dos meus. Deixando bem claro que seus pais não eram perfeitos, gostaria de agradecer, simplesmente, pelo o que eles puderam fazer.

Também não tenho pais perfeitos, também estou longe de ser perfeita. Mas o que sou hoje depende muito da forma como me criaram acertando ou errando. Se vier a ter filhos também vou cometer erros e acertos, mas gostaria muito de ser capaz de colocar meus filhos a frente de mim como muitas vezes fizeram por mim.

Não preciso esperar que eles não estejam mais aqui para refletir sobre o que representam na minha vida e nem para agradecer o que fizeram. Se não fizeram mais, talvez seja porque fizeram o máximo que puderam. E eu os agradeço com todo o amor que me ensinaram a sentir, mas não tão bem a verbalizar.

O dia das mães está próximo e mais uma vez não estarei lá fisicamente, mas aproveito para dizer o quanto essa palavra representa para mim. Em minha vida a palavra mãe representa uma das mulheres mais fortes que conheci. O oposto do estereótipo da mãe contemporânea: permissiva, despreocupada, amiga, jovem etc etc etc. (assistam a palestra para compreender a crítica de Julio Groppa, eu não seria capaz de explicar melhor).

Minha mãe é mais que isso: ela é mãe. Nunca conheci uma mãe mais mãe do que a minha. E não na idéia errônea ou preconceituosa que as vezes tem referência. Mãe política no sentido de querer e se esforçar para povoar o mundo com seres melhores.

Papai e mamãe, meu muito obrigada.

A família no fogo cruzado da educação contemporânea – Julio Groppa Aquino

Anúncios