2013 – O que você quer ser quando crescer ?

Ontem, estava conversando com meu marido sobre o estagiário que trabalha comigo nesse momento. Um garoto inteligente e brincalhão de apenas 16 anos. Esse garoto ainda tão jovem já tem sua vida profissional traçada, já fora orientado.

Explico.

Aqui na França existe um acompanhamento de orientação profissional a partir do ensino fundamental. Que “visa” oferecer oportunidades para todos pesando na capacidade especifica de cada um.
O que parece ser muito democrático e avançado, esconde a meu ver um lado cruel.
Alunos inteligentes como meu personagem ai de cima, mas que nao se adaptam à cultura escolar são considerados maus alunos. E taxados dessa forma em seus apenas 16 anos.
Nao tendo capacidade intelectual suficiente nao poderá ser medico, nem advogado, nem artista, nem engenheiro, professor etc etc etc… sua capacidade escolar o orienta a ser recepcionista ou garçom. Afinal de contas, precisamos desses profissionais em falta em um pais tão turístico.
Nada contra essas duas profissões, já fiz as duas coisas.
Que ele queira ser recepcionista ou garçom ou lixeiro, isso nao é um problema. Mas uma equipe de psicólogos, pedagogos, professores e pais que decidem que esse garoto nao poderá ter uma outra profissão não me parece algo tao democrático assim.

Damien me disse para tentar convencê-lo de que o que ele acredita ser bom pra ele hoje, nao sera, talvez, no futuro. Mas eu nao acho que tenho esse direito. Quando tinha 17 anos, meu pai falou e falou que eu nao deveria estudar pra ser professora. E eu, como uma boa adolescente, nao ouvi e fiz o que eu achava que deveria fazer.

Sera que temos mesmo o direito de tentar influenciar as pessoas? Mesmo que seja por uma “boa” causa? A equipe de orientação do seu colégio deve acreditar que estão ajudando.

So sei que esta estoria toda, me faz pensar no meu ultimo trabalho do mestrado que falava justamente da forma de ver a Educação, forma esta que comecei a aprender com a escolha que fiz aos dezessete anos.

Segundo Paulo Freire, a Educação não é neutra. Ela pode tomar duas direções: contribuir para o processo de emancipação humana, ou aprisionar e aprender ao ser humano ser passivo face à realidade existente.

E tanto a Educação francesa como a brasileira estão mais associadas a esta segunda opção. Uma tentativa de deixar as coisas como estão. Um mundo capitalista que cultua o exibicionismo. Onde ter é mais importante do que ser e que exige de nossas crianças um sucesso escolar. Sucesso esse cada vez mais associado ao profissional e portanto, financeiro de uma lado, e de outro lado tantas outras que não o alcançarão.

Abandonei as duas porque não acredito nesse modelo educacional. Pena que aos 16 anos esse menino sorridente  ainda não entenda que ele não precisa se deixar levar por essa “democracia” de fachada.

Anúncios

Natal solidário ou solitário?

Ontem um turbilhão de fatos e sensações se passaram diante dos meus olhos e dentro do meu coração.

Artigos sobre casamento; casa incendiada ao lado do hotel; palestras sobre jogos, vida, comunicação; solitários; estudo sobre posmodernidade, relações familiares. Como fazer pra colocar uma ordem logica em tudo isso?

papai-noel-solitarioOs poucos que leem os meus ínfimos textos sabem que trabalho em um hotel aqui do outro lado do oceano (vulgo França) e que, portanto, tenho o desprazer de trabalhar feriados, finais de semana e festas comemorativas como Natal ou Ano Novo. E sozinha.

Então, ontem quando toda a família do meu marido estava comendo todas aquelas comidinhas francesas maravilhosas em uma cidade vizinha, eu estava aqui: em casa, no trabalho, na minha atual cidade vendo tudo se passar diante de meus olhos como um mero telespectador.

Não comemoro Natal, minha família nunca comemorou. Simplesmente nao vemos sentido em comemorar algo em que nao acreditamos, ponto!

No entanto, meu marido que também é ateu estava la, comemorando o Natal. Qual o seu sentido, então?

Muitos comemoram a união familiar, o prazer de estarem todos juntos ao redor de uma bela mesa com vinhos e comidas maravilhosas e presentes que querem dizer: eu amo vocês, que bom tê-los em minha vida. E eu não vejo mal nenhum nisso. Se é esse o sentido do Natal, ok.

Mas e aquele cliente que chegou ao hotel se queixando dos bombeiros e policias que haviam interditado metade da rua? Que dizia ser inadmissível bloquear o transito apenas porque uma casa fora incendiada? Ele representa bem o espirito natalino?

Ou então, aquele depressivo que me ligava do quarto 709 a cada dez minutos para me perguntar coisas realmente importantes: como ligar a tv; qual o numero de telefone do hotel, se podia ter um travesseiro extra etc etc etc. Apenas para ouvir a voz de um ser humano nem que por poucos minutos. Talvez ele represente o espirito natalino?

E aquele velhinho tao simpático que ao me pedir para lhe servir uma refeição se desculpou por me fazer trabalhar ainda mais no dia de Natal se justificando ao dizer que todos os restaurantes estavam fechados. Claro. Era Natal. Talvez ele represente o espirito natalino?

Fiquei imaginando se ele já teria tido alguém. Se ele teria filhos. Familia. Se havia perdido o amor da sua vida. Me deu um aperto no coração: “o meu volta amanhã e ele talvez nunca mais terá o prazer de estar ao lado de sua amada”. Apesar disso, ele nao estava triste, conversamos sobre viagens e ele me desejou uma boa noite (não um bom Natal) e eu também com uma grande cumplicidade.

Eu vi o verdadeiro “bom velhinho” que me mostrou que apesar dos artigos do Courrier International dessa semana* e das leituras para o meu trabalho de mestrado sobre relações familiares e educação na posmodernidade me dizerem que as relações familiares estão cada vez mais frágeis, que as pessoas nao querem se comprometer com um amor pra vida toda, eu tenho a oportunidade de experimentar essas relações.

Eu estava triste não porque sou solitária como meus dois personagens que talvez nao tenham mais ninguém em suas vidas. Mas porque hoje mesmo tendo duas famílias lindas que não acreditam no Natal (nao como nascimento de Jesus) e que estavam jantando juntos, cada uma em seu continente comigo dentro do coração, eu não podia estar em nenhum dos dois lugares.

E ai, vem a ultima questão do dia: por que eu e tantos outros comerciantes estávamos trabalhando? Talvez porque o dinheiro valha mais do que tudo nesse mundo capitalista em que vivemos? Decepção

Por que fechar os hotéis, supermercados, restaurantes se terão cliente para aumentar seu numero de negócios? E quem se importa que para isso tantos atendentes, vendedores, recepcionistas, garçons têm que sacrificar momentos que deviriam ser voltados para a família, para os amigos, para a vida?

Sera que se o Natal fosse mesmo para comemorar o aniversario de Jesus, que o espirito natalino fosse um espirito de solidariedade, nao poderíamos abrir mão de ir ao supermercado nessa data, ao restaurante, comprar milhões de presentes para os filhos que nem dão mais valor pra tanta tralha? Isso sem falar em ser solidário com os que nem um prato de comida ou um cobertor quente têm nessa época (questões muito mais validas do que a minha).

Apesar de tudo isso, “egoisticamente” tenho um balanço positivo para o dia 24 de dezembro no qual me vi jantando virtualmente com a minha família em torno de uma mesa onde não havia presentes, não havia ceia de Natal, nem arvores ou pisca-piscas, apenas uma família feliz por estar reunida.

*Courrier international é uma revista que reúne e traduz artigos do mundo todo. Esta revista em forma de jornal a cada semana tem um tema central, no caso da ultima edição: o casamento.

Quem disse que foi “Deus” quem quis assim?

Ontem mesmo estava conversando com meu querido marido sobre o sufocamento que sinto ao ler ou ouvir certas coisas e eu ter que ficar calada.

Estava falando especificamente de absurdos que vejo escrito no Facebook. Sei que o facebook pode ser um troço super futil e superficial e que se quisesse parecer mais cult deveria esconder o fato de que sim, acesso minha pagina todas as manhas.

Mas não é verdade. E era justamente esse nosso assunto durante o papo do almoço de ontem. Estava comentando que muitas vezes me contenho para não comentar um ou outro comentário grotesco que aparece por la.
E o meu queridíssimo, sempre sensato, me diz que é exatamente o que deveria fazer. E que ao invés disso deveria retornar ao meu blog pra expor minhas opiniões. Segundo ele, eu teria muita coisa interessante a dizer.

Nao sei se ele tem razão e talvez essa estoria de blog seja também bastante exibicionista (tirando o fato de que duas ou três pessoa o leem), apesar disso talvez seja mesmo uma forma de expressar o turbilhão de pensamentos e sensações que passam por dentro de mim.
Bom, bref, como diriam os franceses : o fato é que hoje eu vi um comentário no facebook que me pegou em cheio. Um amigo compartilhou um artigo de jornal no qual falava do assassinato de um amigo seu. Mais um assassinato devido à violência brasileira.

Nao conheço seu amigo, mas me vi em sua pagina (tanto do jornal como do facebook) lendo aquelas mensagens de luto, de tristeza que tocou profundamente meu coração solitário (ao menos nesse Natal). De uma maneira um pouco egoísta, visto que já me sentia um pouco sensível, me peguei sofrendo por alguém que eu nem conheço.

Aquela mesma sensação de mais ou menos um ano atras quando soube que o amigo de minha irma e de meu primo também tinha sido assassinado por um maquina fotográfica.

Uma sensação de impotência, revolta, insignificância diante de tanta barbárie. E de solidariedade ao imaginar o sentimento de tantos pais, filhos, irmãos, amores que são perdidos por motivos tao torpes.
E ai, vem o meu comentário que deveria ficar guardado para mim mesma : diante de fatos como esse por que as pessoas falam tanto de Deus ? Que essas pessoas foram embora porque chegou a hora delas? Que eram muito boas para ficarem por aqui? Que Deus vai curar a dor dos entes querido? etc etc etc? Por que tentamos nos esconder e justificar algo injustificável ?

Eu entendo que individualmente acreditar nessas coisas talvez seja a unica forma de continuar vivendo ou sobrevivendo. A mãe de um garoto de vinte dois anos talvez não resista a tanto sofrimento se não acreditar que seu querido filho esta ao lado de Deus olhando por ela, mas sera que não enxergamos que socialmente essa forma de pensar não faz sociedade alguma avançar ?

Que enquanto acreditamos que nossos entes queridos foram mortos porque era bons demais para ficar aqui ou que foi encontrar Deus ou seja la o que for outras pessoas continuaram morrendo ?

Nao seria melhor dizer que a culpa é desses políticos corruptos que desviam o dinheiro da educação, da segurança publica ?

Que a culpa é dessa sociedade capitalista doente onde somos o que temos e se nao temos fazemos o que for necessário para ter ?

Deus, se ele existe, não aceita filhos que são mortos por um punhado de dinheiro. Nao aceita filhas ou mulheres estupradas por monstros que entram em suas casas para roubar-lhes a paz e seus bens materiais. Nao aceita espancamentos de tios, primos ou amigos.

Desculpem-me os que creem, mas eu realmente não consigo acreditar que foi porque « Deus » quis assim. E podem dizer que vou para o inferno porque eu também não vou acreditar.

Paris: um check list inesquecível!

paris-resto-romantiqueNão moro em Paris, não a conheço tão bem assim. Moro em Orleans, uma cidade pouco conhecida pelos compatriotas que fica ha uma hora de trem na direção Sul. Cidade com mais ou menos 150 mil habitantes, conhecida por ser fria, burguesa e baseada, economicamente, sobretudo no comércio e informatica.

Bom, esse post não é pra falar da cidade onde moro e sim de sua prima mais pomposa.

Ah, mas antes disso, se você quiser ir para cidade das Luzes saiba que não é de suas luzes que surge seu nome. Paris é assim conhecida devido ao movimento Iluminista, surgido no século XVII na França, que defendia o domínio da razão em detrimento da visão teocêntrica que dominava a Europa desde a Idade Media.

Paris, a cidade turística por excelência. Mesmo que atualmente ela esteja em terceira posição no ranking das cidades mais visitadas, seguindo Londres e Bangkok, sem duvida, ela é a cidade mais visitada por nos brasileiros. Podemos evidenciar isso andando pelas suas ruas, ouvir nosso familiar e cantante Português não é nenhuma novidade por la.

Ha uma ano e meio me mudei para França e minha família viu uma ótima oportunidade de conhecer o pais de Molière usando como desculpa saudades de uma filha, irmã, sobrinha ou prima distante.
Que fique claro: eu adoro essas visitas, venham quando quiserem. Mas ai, já viu!? Tenho que planejar e responder varias perguntas. Nao que eu nao goste de falar deste pais ou de qualquer outro. Adoro viajar e me gabar dando dicas de como se virar em lugares por onde ja estive.

Pensando nisso e nos próximos tripulantes, resolvi deixar aqui registrado algumas dicas. Claro que vao encontrar outros sites muito mais completos, mas isso é o melhor que posso fazer.

Se você esta pensando em viajar para Paris, Roma ou qualquer outra grande cidade, saiba que sera necessário paciência. E que se quer fugir da loucura de São Paulo, nao sera uma boa escolha. Ha turistas e brasileiros por todo lado, filas, pessoas mal educadas, em alguns lugares vocês se sentirão em casa.

Para mim é mesmo uma relação de amor e odio. Na primeira vez que vim a Paris ha mais ou menos 7 anos me encantei com a cidade. Achei-a surpreendente, ja na segunda vez vi uma outra Paris: um misto de coisas maravilhosas e de caos que me fez olha-la de uma maneira diferente.

O que é certo é que vao encontrar filas, sobretudo em alta temporada, o que quer dizer julho e agosto, principalmente, mas tambem passando por abril, maio, junho e setembro. Lembre-se que por aqui quando ha Sol todo mundo sai de casa, viaja porque nao é sempre que ele aparece.

Para minimizar as filas e nao correr o risco de ficar com os piores hoteis ou os mais caros, tente reservar o que for possivel com antecedencia.

O site Booking.com é um dos melhores para se achar hoteis. Mesmo que você prefira depois reservar diretamente com o hotel, é otimo pelos comentarios. Geralmente da muito certo.

Outra coisa que sempre faço antes, é comprar entradas para museus, monumentos etc. No Coliseu (Italia) nao conseguiriamos ter entrado, estava tudo lotado e para subir na Torre Eiffel acho que ganhamos umas duas horas ou mais. Pra mim, sempre valeu muito a pena.

Entao, seguem os sites para Paris:

Site oficial da Torre Eiffel – Você terá que escolher o seu horário para subir, o que faço é sempre verificar o horário do por-do-sol, assim pode-se subir um pouco antes e aproveitar a maravilhosa vista de dia e de noite: Les horaires du Soleil.

Site oficial do Museu do Louvre – Procure pela frase: acheter le billets (comprar os tickets), nesse caso você tera que retirar em uma Fnac, tem uma na Champs Elysee. Ao sair da estacao de metro que da direto no Arco do Triunfo vocês podem descer pelo lado equerdo pra encontrar o Museu la embaixo, então ja podem retira o ingresso por la mesmo.

– Andar pela Sena, aqueles catamarãs, tem para diversos gostos e bolsos, um dos mais baratos são dessa cia Vedettes du Pont Neuf se nao entenderem bem a validade, nao se preocupem os bilhetes são validos por um ano, tem promoção para quem comprar pela internet, mas nao devem pegar muita fila se comprarem diretamente por la. Pra pegar o barquinho, é na Ilhinha que fica perto da Pont Neuf. Senao tem também outras opções como os famosos Bateaux Mouche, alguns tem jantar, jantar dançante, eu só fiz mesmo o passeio básicão.

Para quem quer ir ao Palais de Versailles também vale a pena, nao fica em Paris, mas na cidade de Versailles. O palácio é lindo, cheio de historias, da famosa Maria-Antonieta. E além disso tem um jardim magnifico para passar uma bela tarde.
Aconselho almoçar dentro do parque, o restaurante é bem razoável e nao é caro. Eu nao fecharia pacote de forma alguma, pegue o trem que custa por volta de 6 euros ida e volta, mas nao se esqueça de comprar a volta caso nao queira ficar horas na fila na volta.

Para quem gosta de Museus tem milhões de opções, mas eu gosto bastante do Musée d’Orsay, esse museu que fica numa antiga gare (estacao) é um sonho para quem curti os impressionistas: é a maior coleção do mundo.

Para se ter uma ideia de quanto vão gastar com questões alimentares, saibam que na maioria dos hotéis o cafe da manha nao é incluso e o seu preço é por volta de 9 euros. Para almoçar e jantar eu colocaria uma media de 20 euros por refeição.

Alguns dias vão gastar uns 7 euros em um menu kebab, fritas e refrigerante, e em outros vão chegar nos 50 euros para comer bem em um restaurante. Eu ja comi muito bem,com entrada, prato principal e sobremesa por 25 euros, mais vinho.

Busquem os pratos do dia (Plat du jour), como nosso famoso PF, mas que nem sempre é composto de bife com batata frita. Geralmente tem apenas uma opção de prato, podendo ter dois, e fica em torno de uns 8 euros. Você ira encontra-lo em todos os restaurantes durante a semana e apenas no horário de almoço, em alguns raros locais eles sao servidos também no sabado. Ah… mas esqueça o feijão com arroz.

E atenção, Paris não é São Paulo, nao pense que encontrara restaurantes abertos por volta das 16h para almoçar em qualquer lugar. Muitos restaurantes ficam abertos até as 15h e depois só voltam a abrir as 19h.

Ah outra dica, peçam sempre a carafe d’eau (carraf do), é aguá de torneira mesmo que eles trazem junto com a refeição e lembre-se que o cafezinho nao e cortesia da casa, custa em geral 2 euros. E saibam que pensar bem antes de gastar dinheiro é bem comum entre os franceses, achar caro, nao querer esbanjar não é nada feio por aqui.

Paris é gigante, tem milhões de coisas para fazer, dentre elas algumas que fiz e que acho que vale a pena: comer crepe, kebab (o famoso churrasquinho grego que pode ser ou de frango ou de carneiro), gauffre, jantar ou almocar num verdadeiro restaurante francês com aperitivo, entrada, prato principal e cafe gourmand (um cafe expresso com algumas miniaturas de sobremesa), ir num pub no Quartier Latin (Bairro Latino), visitar a Catedral de Notre Dame, o Jardim de Luxembourg, ir a Sacre Coeur, ir a uma balada, tomar café ou uma cerveja sentado no terraço de algum bar em Montparnasse, ir a Opera de Paris (e se possível ver uma Opera), ir no Panteon, ver as catacumbas, andar e andar, de metro, a pé…

Além disso, nos arredores de Paris ha a Euro Disney e o Parque Asterix. A Euro Disney é um dos parque mais conhecidos da Europa, no entanto, pra mim é algo muito comercial e para crianças.
Ja o Parque Asterix é uma delicia. Vale a pena conhecer. Nao deixe de ir na atracao Osiris, é a melhor! Eu fui duas vezes, mas quando fui tive a sorte e o azar de pegar um dia de chuva e frio. Ficamos de capa de chuva e secando de tempo em tempo a meia no secador 292523700-14145502automatico para maos, mas ao menos pudemos ir em todos os brinquedos que queriamos.

Existe um ônibus do proprio parque que sai de perto do Louvre (métro Palais-Royal). Para encontra-lo é um pouco complicado. Você nao deve ir direto ao metro, ele fica num estacionamento no subsolo.
Você encontrara uma escadaria passando uma porta de vidro entre a Rue de Rivoli e a Pirade (aquela famosa), embaixo de uma pilastra do lado direito. Deve descer ate o nivel 3. Va com um pouco de antecedência porque a chance de passar alguns minutos procurando e grande.

Claro que as escolhas do que fazer depende de quanto tempo vao ficar e os gostos pessoais. Mas apesar de nao curtir uma viagem check list, nao da pra ir à Paris e nao fazer o que todo mundo faz, por mais clichê que possa ser ainda me encanto quando vejo a Torre Eiffel ou quando ando na borda do Sena.

Aproveitem a viagem e muito cuidado com os batedores de carteiras. Cara de turista despreocupado e mochilão nas costas, nem pensar. Cara de turista ok, mas de turista esperto!!!

Site oficial do transporte publico na Regiao Parisiense
Saiba que o metro em Paris se chama Metro (ahhhhhh!) E que o trem se chama RER. O trem do metro para em todas as estacoes, ja o do RER nem todos fazem o mesmo percurso. As vezes diferentes linhas passam em uma mesma estacao ou se bifurcam. Entao, antes de entrar no trem (RER) certifique-se atravesz daquelas televisôes que ficam na plataforma ou pergunte para algum francês que de preferencia nao seja um parisiense nato. Como recenhece-los? Para os paulistas que pegam metro todos os dias isso sera mais facil.

Site oficial do transporte em toda a Europa

Site da cia aerea Easyjet, uma cia low cost aqui na França vale lembrar que os vôos são domesticos por toda a a Europa, então limite de 23 quilos e 15 euros por mala.

Site onde comparo as passagens por aqui

“Que pais é este?”

Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação

Começo este post com essa pergunta porque sempre que penso em meu pais essa frase pulula em minha mente: Que pais é este? Sempre adorei a Legião Urbana e, principalmente, o Renato Russo. Era, mesmo sendo difícil de assumir, fã a ponto de chorar por motivo de sua morte. Se servir como desculpas: tinha apenas 14 anos.
Muitos anos depois de conhecer essa musica, sendo capaz de entendê-la melhor a escultei cantada por Hebert Viana em um show. Ao final ele comentou que “essa musica não envelhece nunca”. E nunca me esqueci dessa frase e estou esperando ha cinco anos que ela envelheça.

Mas não, ela é ainda mais real porque hoje as pessoas voltaram acreditar e com muito mais força de que o Brasil é mesmo o pais do futuro, afinal ele faz parte do BRICS. E não são apenas os brasileiros que acreditam nessa frase otimista. E so caminhar pelo mundo para perceber que cada vez menos as pessoas pensam que falamos espanhol, que moramos na floresta e que só existe mulheres lindas e seminuas pelas ruas. As pessoas sabem que o Brasil esta se desenvolvendo e acreditam que a vida por la esta muito melhor.
Eu nunca fui muito patriota e sempre fui bastante pessimista. Mas agora que estou exilada em terras distantes começo a ser pouco patriota, mas ainda mais pessimista com relação ao Brasil. E claro que existe toda uma onda de otimismo e que de certa forma ocorreu algumas melhoras no Brasil, mas ainda ha “sujeira pra todo lado”.
Comecei a ler o libro de Ribeiro Jr, A privataria Tucana e afirmo que esse livro tem uma capacidade nauseante que supera Dostoiévski. E um mal estar em saber que somos roubados diariamente enquanto o nosso povo ainda vive em situações de miséria. Tanto dinheiro sujo enviado para paraísos fiscais.
Nao consigo entender porque um cidadão comum como eu, deve pagar impostos exorbitantes para apenas enviar alguns presentes de Natal para minha família e que políticos e empresários corruptos possam fazer tantas transações ilegais sem que sejam pegos.
Por outro lado, essa semana a nota da França foi degradada, deixando de ser um pais considerado pela agencia Standar&Poor’s AAA para apenas AA. Aqui o discurso é bem diferente, os franceses, conhecidos por ser o povo que mais reclama, dizem que o pais esta em crise, que as coisas estão muito difíceis. Alguns pensam em migrar para a Alemanha.
E eu fico no meio desse fogo cruzado, entre o pessimismo francês e o otimismo brasileiro e simplesmente não sei exatamente o que pensar.
Não sou uma pessoa muito politizada, nem intelectual: leio bastante, gosto de literatura, gosto de pensar sobre o mundo e sobre a vida, mas não tenho embasamento suficiente para saber o que se passa pelo mundo, mas comparando os dois países ainda não consigo ver motivos pra tanto pessimismo do lado de cá do oceano e pra tanto otimismo do lado de la.

Homesick

Para uns sonho significa o que se almeja alcançar: uma casa na praia, um carro novo, uma viagem a Paris. Ja para outros, sonho é algo mais palpável: o almoço do dia anterior, as ferias do ano passado, a vida que esta tendo ao lado de quem ama. Mas para todos também é algo que vem nos visitar durante a noite ou dia quando estamos, ao mesmo tempo, distantes e próximos da realidade.

Alguns acreditam que podemos interpretar os sonhos, Freud mesmo tem uma longa literatura sobre isso, outros acham que ha muito de premonição. Seja la o que o sonho significa, para mim atualmente é onde me vejo próxima de pessoas tao queridas que estão distantes.

Ja tive encontros com minhas irmas, amigas… essa semana passei horas conversando com a Denise. Ja participei de festas de família. Fui visitar a Fernanda na Austrália.

E ontem, durante a noite, banhado por um Sol tao reluzente eu e minha mãe visitávamos um museu onde havia uma exposição de fotos da minha infância. Enquanto minha mãe ia recuperando as fotos não compreendendo como elas haviam parado ali sem sua autorização, eu as ia observando.
Me encantei com uma delas, meio narcisista, achei aquela Daniela ao lado da irma tao bonitinha que fui chegando mais perto para observar a foto. E ao me aproximar a foto se transformou. Ja não era mais eu e a Juliana em nossa infância, era a Ana Paula e o Gabriel ainda bebes.
O incrível e que o Gabriel, que estava em um rio translucido, ganhava vida e afundava no fundo do rio e em seguida emergia novamente. Ao sair da água sorria para mim com um sorriso tao puro e inocente.

Eu não sei o que Freud diria, mas o que eu digo é que os sonhos me transportam para outra realidade, me fazem acordar no meu antigo quarto na casa dos meus pais, sentindo a presença da minha irma na cama ao lado. Sonhos que me deixam em estado paradoxal: feliz por ter de quem sentir saudade, e triste por senti-la.

Um dia alguém me disse que ao deixarmos nossa realidade em busca de sonhos nunca mais nos sentimos completos em lugar algum, sempre vai nos faltar algo. Talvez seja, então, essa a significação de meus sonhos: a tentativa de unir duas realidades eliminando esse espaço vazio, digo, esse espaço cheio de saudades dentro do meu coração.

Post escrito em dezembro 2011.

“Homofobia se aprende, sexualidade não.”

Esses dias vi uma discussão no facebook sobre uma foto de dois garotinhos (do mesmo sexo) que se beijavam. Alguém que gostaria de iniciar uma discussão sobre a homofobia a teria postado. Essa mesma foto seria usada pelo MEC em uma campanha com o mesmo proposito.
Ontem um colega, sim: homessexual, postou um texto em resposta a possibilidade da criação do dia do “orgulho hetero”, que segundo Kassab não incentivaria a homofobia. E hoje, um pouco atrasada, fiquei sabendo da agressão contra pai e filho corrida por terem sido considerados um casal homo-afetivo.
Sou contra qualquer tipo de violência e discriminação e não posso deixar de achar absurdo pessoas serem consideradas inferiores seja pela cor da pele, gênero, nacionalidade, orientação sexual etc. Acredito que possamos ter os nossos julgamentos e até, no limite, não aceitar certas diferenças no âmbito pessoal ou afetivo, mas apesar disso devemos respeitar a todos indiferentemente de nossas opiniões preconceituosas.
E além do mais, devemos também refletir sobre os motivos que nos faz discriminar o “diferente”. Preconceitos em sua maioria advêm ou da incompreensão ou da herança de uma sociedade injusta.
Não posso negar que ao ver a foto dos dois garotinhos tive um sentimento de estranheza como primeiro impacto. Mas em seguida procurei entender a minha reação para poder me posicionar sobre ela.
Ao ler os comentários acreditei por um instante que essa estranheza se devesse, como muitos alegaram, a utilização de crianças com uma conotação sexual. Mas logo em seguida me lembrei de tantos comerciais e cenas de crianças de sexo oposto em demostrações afetivas. Então, logo em seguida, busquei imagens para confirmar o que suspeitava: as observei com muito mais naturalidade.
Somos expostos a demostração de carinho entre meninos e meninas desde sempre, então, achamos isso natural.
Nunca me considerei homofóbica, convivo naturalmente com relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo, e mesmo assim a exposição dessa afetividade entre crianças me causou certa estranheza (infelizmente não consigo encontrar palavra melhor). Dessa forma, posso compreender que as pessoas tenham uma certa resistência a se adaptar e aceitar o que fora considerado “errado” ou até mesmo doença por tanto tempo.
Para todos que são estigmatizados exige-se sempre muita batalha na conquista de seus espaços e direitos. Assim como foi e ainda é para as mulheres desconsideradas como cidadãos na Grécia antiga e para os negros considerados inferiores por tantos séculos e que ainda sofrem muitos preconceitos.
No entanto, apesar de qualquer sentimento contraditorio ou necessidade de adaptação para aceitar o “diferente” ainda não consigo compreender os motivos que levam pessoas a cometerem atos tão bárbaros como no caso da agressão contra pai e filho.
Não consigo compreender que em um pais com tantos problemas sociais ainda precisemos ouvir discussões absurdas como a criação do dia do “orgulho hetero” ao invés de discussões para erradicar a pobreza, o analfabetismo, a violência. Que exista pessoas que acreditam que amar pessoas do mesmo sexo é um problema para sociedade, mas que tantas situações de desrespeito com a população são aceitas cotidianamente.
Presenciar atos de afetividade choca, mas atos de violência tem se tornado cada vez mais comuns e banalizados. Infelizmente!

Entradas Mais Antigas Anteriores